Ouça a Nossa Web Radio

Anuncie aqui

Anuncie aqui

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Samu aciona polícia para investigar maca adulterada encontrada em hospital público do Recife

Coordenação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência afirma ter registrado boletim de ocorrência para que o caso seja investigado.

Maca da Samu Recife possui elementos de segurança, mas foi encontrada adulterada no Hospital da Restauração (Foto: Reprodução/WhatsApp)
Maca da Samu Recife possui elementos de segurança, mas foi encontrada adulterada no Hospital da Restauração (Foto: Reprodução/WhatsApp)
O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) do Recife acionou a Polícia Civil para investigar a adulteração de uma maca encontrada no Hospital da Restauração (HR), no Centro da capital pernambucana. Apesar de apresentar itens de segurança e identificação, o equipamento do Samu recebeu uma nova pintura e nele estava escrita a palavra “Sertânia”, nome de uma cidade do Sertão do estado, ao ser encontrado nesta quarta (28).

Segundo o coordenador geral do Samu Recife, Leonardo Gomes, a localização de macas adulteradas não acontecia há alguns meses. “Algumas vezes as macas ficam quando não há leitos suficientes no hospital, mas são recuperadas depois. Se percebermos adulteração, fazemos um boletim de ocorrência”, explica, afirmando também que o registro da queixa foi feito na internet após profissionais do Samu encontrarem o equipamento.

Maca do Samu Recife foi encontrada no Hospital da Restauração identificada com a palavra “Sertânia”  (Foto: Reprodução/WhatsApp)
Maca do Samu Recife foi encontrada no Hospital da Restauração identificada com a palavra “Sertânia” (Foto: Reprodução/WhatsApp)
Ainda segundo Gomes, a prática foi observada com frequência há cerca de seis meses, o que motivou a abertura de um processo do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) para apurar as ocorrências. “O que a gente faz para não prejudicar quem precisa de atendimento é ter um número alto de macas por ambulância, para que a gente não prejudique quem precisa de atendimento por causa de desaparecimento ou adulteração”, explica.

Procurado pelo G1, o HR informou, através da assessoria de imprensa, não reter macas do Samu ou do Corpo dos Bombeiros por ter macas próprias suficientes. A unidade de saúde espera que o caso seja esclarecido pela polícia. A reportagem também buscou resposta da Polícia Civil a respeito do caso e aguarda retorno.

Macas retidas na mira do MPPE

Em outubro de 2017, o Ministério Público de Pernambuco instaurou um inquérito civil público para investigar a retenção e o desvio de macas em unidades de saúde do estado. O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) também realizou uma fiscalização específica para vistoriar o problema, que compromete o trabalho de socorro.


Por G1 PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário