Anuncie aqui

Anuncie aqui

sábado, 7 de janeiro de 2017

Veja lista dos 31 detentos mortos em penitenciária de Roraima

Apenas cinco corpos foram liberados para sepultamento.
Massacre no maior presídio do estado ocorreu na madrugada de sexta (6).

Famílias aguardam neste sábado (7) em frente ao IML a identificação e liberação dos corpos dos detentos mortos na Penitenciária de Monte Cristo (Foto: Inaê Brandão/G1)

A Secretaria de Comunicação do Governo de Roraima divulgou na manhã deste sábado (7) a relação dos 31 mortos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo. Os presos morreram na madrugada de sexta-feira (6) após massacre na unidade por volta das 2h30. Não houve rebelião e não foi registrado fuga, segundo o governo.

Dos 31 mortos, apenas cinco foram identificados pelo Instituto Médico Legal (IML) e pelo Instituto de Identificação e liberados para o sepultamento.


1. Enoque Correia Lira Filho (corpo liberado) - preso por tráfico, formação de quadrilha e roubo
2. Edismar Henrique Duran Barreto (corpo liberado) - preso por roubo, furto e receptação
3. Alcides Pereira de Aquino (corpo liberado) - preso por tráfico
4. Carlos Eduardo Loreiro de Castro (corpo liberado) - preso por roubo, falsificação de moeda, receptação e furto
5. Francisco das Chagas Sousa Lima (corpo liberado) - preso por tráfico
6. Thiago Juvino de Oliveira - preso por tráfico e roubo
7. Alex Souza da Silva - preso por tráfico, homicídio e roubo
8. José de Moura Ferreira - preso por tráfico - preso tráfico
9. Albimeleque Fonseca Almeida - preso por roubo e furto
10. Fábio Bandeira Silva - preso por tráfico e roubo
11. Haciel Moreira da Silva - preso por tráfico
12. Elvis Roger Palma Hernandez - preso por roubo
13. Ilmar de Araújo Silva - preso por roubo, furto e homicídio
14. Edberto Pereira da Silva - preso por estupro e roubo
15. Clealbert Dutra Guimarães - preso por homicídio e formação de quadrilha
16. Márcio Correia Marcelo - preso por homicídio e tráfico
17. Francismar Souza de Oliveira - preso por roubo
18. Francisco Romerio Borba - preso por tráfico
19. Nilson Sales Souza - preso por tráfico e roubo
20. Paulo Wendel Guimarães Cardoso - preso por roubo
21. Adercio Alves da Cunha - não informado
22. Lázaro Quincas Saldanha - preso por tráfico, porte ilegal de arma e adulteração de veículo automotor
23. Mizael Guimarães da Silva - preso por homicídio, lesão corporal e porte ilegal de arma
24. Abel Paulino de Souza - preso por tráfico
25. José Antônio Araújo de Oliveira - preso por tráfico
26. Jairo dos Santos Morais - preso por estupro
27. Edione de Souza Santos - preso por tráfico e estupro
28. Francisco Luciano Pereira da Silva - preso por tráfico
29. Adriano Soares Marinho - preso por tráfico
30. Geocival de Lima Frazão - preso por homicídio
31. Luiz Oliveira dos Santos - preso por tráfico e homicídio

Não foi retaliação, diz ministro da Justiça

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou que,"aparentemente", as mortes registradas na sexta-feira na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo não são uma "retaliação" após a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, que deixou 56 mortos no último dia 2

O secretário de Justiça e Cidadania de Roraima Uziel Castro disse em coletiva que os presos mortos não eram ligados a nenhuma facção criminosa e que foram brutalmente assassinados na unidade. Alguns presos foram decapitados e outros 'destroçados', segundo Castro.

No entanto, ele afirmou que os autores do massacre são integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC).

Castro disse que ainda não se sabe o motivo do massacre e relembrou que na unidade prisional onde aconteceram as mortes não há presos de outras facções além do PCC.

"Não foi um confronto de facções [em Roraima]. Isso é uma crise nacional que o país está vivendo neste momento [...] Foi uma ação isolada de presos do PCC contra pessoas que não eram ligadas a nenhuma facção", declarou Castro.

Na manhã deste sábado, o presidente Michel Temer este na casa da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, tratando reservadamente com a magistrada sobre a crise penitenciária.

De acordo com assessores, Temer e Cármen Lúcia já haviam conversado por telefone na sexta para discutir a situação dos presídios.O encontro não estava previsto na agenda oficial do presidente.

Superlotação

A Penitenciária Agrícola de Monte Cristo é a maior unidade prisional de Roraima e até outubro abrigava mais de 1,4 mil presos, o dobro da capacidade. O presídio é administrado pelo próprio estado e tem condições "péssimas", segundo uma inspeção do Conselho Nacional de Justiça de setembro de 2016.

Em dezembro, o governo anunciou a construção de um presídio de segurança máxima no estado para abrigar presos do regime fechado. Na ocasião, foi informado que as obras começariam em janeiro deste ano.

Ao todo, o presídio deve custar R$ 31 milhões, mais da metade dos R$ 46 milhões liberados pelo Ministério da Justiça para reestruturar o sistema prisional de Roraimax.

Confronto de facções

Em outubro, 10 detentos morreram na penitenciária agrícola durante um confronto de duas facções rivais e familiares foram feitos reféns. Alguns detentos foram queimados e outros decapitados. Na época, a polícia apontou 50 suspeitos dos assassinatos.

O número de mortos colocou Roraima em 9º no ranking de mortes violentas em presídios, conforme levantamento do G1.

Após o confronto, presos de facções rivais foram separados em unidades e chefes de organizações foram transferidos para outros presídios. Alguns foram levados para um presídio de segurança máxima no Rio Grande do Norte.



Do G1 RR

Nenhum comentário:

Postar um comentário